GeralÚltimas Notícias

Venezuela nega violações de direitos humanos expostas por missão da ONU

ad_1]

O governo da Venezuela qualificou como “incomuns”, “falsas” e “infundadas” as denúncias de violações dos direitos humanos apresentadas por uma missão no país do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU).

Além de rejeitar o quarto relatório da missão, apresentado na quarta-feira (20), o governo da Venezuela qualificou os relatórios dos anos anteriores como “sem respaldo metodológico ou conhecimento da realidade do país”.

 

O relatório “pretende continuar a atacar as instituições venezuelanas no âmbito da política criminosa e intervencionista de ‘mudança de regime’ promovida pelo governo dos Estados Unidos da América, com a cumplicidade dos seus governos satélites no mundo”, diz o comunicado.

“A Venezuela reitera a sua absoluta rejeição e ignorância desse tipo de mecanismos paralelos, desnecessários e agressivos, que, através dos seus pronunciamentos, violam a Carta das Nações Unidas”, completou o governo venezuelano.

De acordo com o quarto relatório da ONU apresentado em Genebra, na Suíça, pelo menos 58 pessoas foram detidas arbitrariamente na Venezuela entre janeiro de 2020 e agosto de 2023, incluindo:

  • líderes sindicais,
  • defensores dos direitos humanos,
  • membros de organizações não governamentais,
  • jornalistas,
  • opositores
  • e outros pessoas que expressaram críticas ao governo.

Embora o relatório indique que, de uma forma geral, houve uma diminuição das acusações face aos relatórios anteriores, a presidente da missão da ONU, Marta Valiñas, destacou que 2020, com o início da pandemia de Covid-19, “marcou o fim dos protestos massivos convocados pelos partidos da oposição.”

A missão afirmou ter motivos razoáveis ​​para acreditar que o governo está a levar a cabo uma “campanha para minar a reputação” de opositores reais ou daqueles considerados como tais pelas autoridades, através de mensagens difamatórias e estigmatizantes difundidas por websites e redes sociais pró-governo.

A missão da ONU identificou uma maior frequência na prática de proibir líderes da oposição de concorrer a cargos públicos, e destacou que três candidatos — Henrique Capriles, María Corina Machado e Freddy Superlano — estão proibidos de participar da eleição presidencial, marcada para 2024.

A missão informou que, para este relatório, foram realizadas 256 entrevistas e discussões em grupo com um total de 299 pessoas, tanto pessoalmente como remotamente, por telefone, aplicativos de mensagens ou videochamadas.

Criada em 2019, a Missão de Apuração de Fatos na Venezuela do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas busca coletar informações relacionadas a supostos casos de execuções extrajudiciais, desaparecimentos forçados, detenções arbitrárias e tortura e outros tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes, e violência sexual ou de gênero, perpetrados desde 2014 na República Bolivariana da Venezuela.

Fonte da matéria: CNN Brasil

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo