ApucaranaSaúde

Casos de dengue triplicam em Apucarana e geram alerta pelas autoridades

 

O prefeito Júnior da Femac comandou nesta segunda-feira (20) uma reunião de emergência para debater estratégias de combate à dengue no município. Segundo dados da Autarquia Municipal da Saúde (AMS), o número oficial de casos neste mês já é três vezes maior do que no mesmo período do ano passado. “Na primeira quinzena de novembro de 2022 Apucarana registrava seis casos e, neste ano, o número de casos positivos foi de 18 no mesmo período.

O crescimento mostra-se exponencial e a projeção, pelo registro diário de novas suspeitas no sistema de saúde, é de este mês de novembro feche com índice 10 vezes superior ao registrado no ano passado, ou seja, pelo menos 60 casos positivos da doença devem ser oficializados”, informa o prefeito Júnior da Femac.

De acordo com dados da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), no último período epidemiológico (2022/2023), finalizado em 31 de julho deste ano, foram registradas 108 mortes por dengue em todo o Paraná. Durante a reunião de emergência, que contou com a participação do secretário Municipal de Saúde, Emídio Bachiega, do superintendente de Vigilância em Saúde, Marcelo Viana, do coordenador da Divisão de Vigilância Epidemiológica, Luciano Simplício Sobrinho, e do coordenador do setor de Combate a Endemias, Mauro de Aguiar Almeida, Júnior observou que o aumento do número de casos é um fenômeno que tem atingido todo o país, tendo como principal agente a mudança climática.

“Com um ano atípico, onde praticamente não houve inverno e registrou-se muita chuva e calor, as estatísticas mostram o aumento da dengue em vários municípios, não só em Apucarana. Londrina e Maringá, por exemplo, que são nossa área de abrangência, também registram três vezes mais casos do que no mesmo período do ano passado, um quadro preocupante que necessita de resposta rápida, por isso contamos com a mobilização de toda a população, onde as pessoas devem, mais do que nunca, estarem diariamente atentas ao quintal, as calhas, ao seu comércio, à sua indústria, ao seu terreno não edificado, à sua obra, enfim, atendo à sua comunidade para eliminar todo potencial criadouro do mosquito Aedes Aegypti, que é o vetor da dengue, da zika e chikungunya”, solicitou o prefeito.

Além de alerta à população, foram definidas como estratégias imediatas de combate à dengue a intensificação de ações com as equipes de agentes comunitários de endemias, atividades de treinamento com profissionais de saúde, como técnicos de enfermagem, enfermeiros e médicos, reforço do estoque de medicamentos e insumos necessários ao tratamento da doença, ações de educação junto a rede municipal e estadual de ensino, entre outras atividades.

“O crescimento do número de casos preocupa, pois revela que o vírus e o mosquito estão circulando por toda a cidade. Orientamos as pessoas a, qualquer sintoma da doença, procurar imediatamente atendimento médico”, diz Marcelo Viana, superintendente de Vigilância em Saúde. Ele destaca que o mosquito transmissor procria em todo tipo de ambiente com água. “Na calha, na grelha, no ralo do banheiro, atrás da geladeira, no copinho plástico e vaso no quintal, na forminha com água, tem que eliminar tudo isso”, orienta o superintendente.

Fonte da matéria: Tarobá News

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo