GeralÚltimas Notícias

Vidas de crianças correm risco se eletricidade parar, diz médico de Gaza

Muitas crianças que dependem de ventiladores não sobreviveriam a uma interrupção de eletricidade em Gaza, alertou um médico da região, enquanto apresentava um quadro sombrio da situação no seu hospital.

Em vídeo divulgado pelo Ministério da Saúde de Gaza no domingo (22), o Dr. Fu’ad al-Bulbul, chefe da unidade do departamento neonatal do hospital Al-Shifa, disse que qualquer interrupção no fornecimento de eletricidade seria “catastrófica”.

A maioria dos bebês que dependem de ventiladores morrerão porque só podemos salvar um ou dois bebés, mas não podemos salvar todos os bebês

Dr. Fu’ad al-Bulbul

Al-Bulbul falou em meio a preocupações de que os suprimentos de combustível essenciais para manter os geradores hospitalares ligados e a eletricidade funcionando estejam perigosamente baixos.

No domingo anterior, a agência da ONU que ajuda os refugiados palestinos (UNRWA) advertiu que as suas reservas de combustível se esgotarão em três dias, comprometendo os esforços humanitários em Gaza.

O berçário do hospital Al-Shifa, que possui 45 incubadoras, cuida predominantemente de bebês prematuros de gestações de alto risco, disse al-Bulbul.

“Infelizmente, no momento não temos nenhum suprimento médico – os medicamentos essenciais que são medicamentos essenciais para salvar vidas de bebês nas primeiras duas horas de vida”, disse ele.

Destacando a grave escassez de medicamentos essenciais, o médico revelou que o surfactante acabou e utilizou o último frasco de citrato de cafeína no domingo.

A unidade está sobrecarregada com um grande número de casos, a maioria dos bebés está gravemente doente e a equipa médica trabalhou 18 dias seguidos, deixando-os exaustos, acrescentou.

Fonte da matéria: CNN Brasil

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo